Economia Criativa e o Resgate da autoestima do aluno

Economia Criativa e o Resgate da autoestima do aluno

O tema da aula de hoje é Economia Criativa. Quem já ouviu esta expressão? Quem sabe o que

é? Depois de ouvir as hipóteses da sala, passamos à parte conceitual. Um olhar para o cenário

global do mundo do trabalho: a legislação, a economia, as exigências do mercado, as

profissões em ascensão. Analisamos estatísticas, exemplos e fechamos com uma reportagem

sobre o assunto. Mas, será que os alunos aprenderam? Como avaliar?


Em um mundo de escassez não apenas em oferta de trabalho formal com carteira assinada,

mas escassez de recursos ecológicos. Como financiar os estudos? Realizar sonhos? Ou

simplesmente sobreviver? A avaliação da aula, trata-se exatamente disso. É solicitado à sala, às

vezes sozinho, às vezes em grupo, pesquisar exemplos dentro do seu contexto. Pode ser a

história própria, de um familiar ou alguém do bairro que usou de sua criatividade e inovação e

teve êxito. Mas, se não conseguir, pode fazer a pesquisa em livros e periódicos. Na aula

seguinte, o aluno pode: trazer um convidado; fazer um vídeo; apresentar fotos; trazer o

produto ou fazer o relato verbal de suas descobertas.


Note, a pluralidade de opções que o estudante tem para demonstrar que entendeu o que é

Economia Criativa. O momento da partilha das experiências é sensacional.

Inúmeros relatos de pessoas próximas que pagaram a faculdade, realizaram viagens, sustentaram a família

em um momento de desemprego através de uma ideia criativa e inovadora que foi posta em prática.

O aluno vai reconhecendo na própria história de vida que ele tem recursos internos, talentos

para superar qualquer situação desafiadora que surja em seu caminho. Percebe-se também

um sentimento de gratidão e admiração pelas histórias compartilhadas.


Algumas histórias começam assim “quando eu tinha 10 anos...”; “teve uma vez que a minha

mãe...”; “na minha rua tem uma senhora...”; “eu trouxe para aula...” Dessa forma, o conteúdo

é dado e permanece com o aluno porque ele foi associado a uma memória emocional.


Sei que você também tem relatos de experiências em que o aluno pode imediatamente aplicar

ou associar um conteúdo da sala de aula ao contexto de sua vida.

Compartilhe conosco sua experiência, vamos amar conhecer suas histórias.